segunda-feira, 26 de abril de 2010

Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland, 2010)


Diretor: Tim Burton
Roteiro: Linda Woolverton, baseado em romance de Lewis Carroll
Elenco: Mia Wasikowska, Johnny Depp, Helena Bonham Carter, Anne Hathaway, Crispin Glover

Depois de meses de apreensão, estreia o mais no filme do sempre aguardado Tim Burton, Alice no País das Maravilhas. Acho que a história todo mundo já esta careca de saber...mas vamos lá: Alice acaba de ser pedida em casamento, como ela não ama o pretendente, ela foge caindo no buraco que a leva para o País das Maravilhas, porém ela já esteve lá há 13 anos atrás, porém não lembra, trazendo assim a desconfiança dos ilustres moradores desse local muito doido. Ela se torna a escolhida (a la Frodo ou Neo de Matrix) para matar o tal dragão e libertar o país das garras da tirana Rainha Vermelha.
Minhas impressóes sobre o filme: infelizmente o filme é muito infantil, é verdade que a maioria esmagadora dos filmes do Tim Burton tem um lado infantil, porém é um infantil sarcástico, irônico e muitas vezes indecente (Besouro Suco!), o que torna esse diferente é que se trata de um infantil puramente infantil! O que é a tal da dança maluca do Chapeleiro Maluco? E o final com uma batalha estilo As Crônicas de Nárnia? Ok...tem a cabeça rolando do dragão, tem olho arrancado e cabeças boiando no lago do castelo da Rainha Vermelha, mas nada que dê medo nas crianças...
Isso tudo não quer dizer que o filme é ruim, claro que não! O filme é ótimo, a direção de arte está de parabéns, Tim Burton novamente impressiona com sua arte dark e especialmente a Rainha Vermelha, a Rainha Branca e o Chapeleiro são os melhores personagens. Johnny Depp está como sempre, ou seja, espantosamente ótimo! A Rainha Branca não anda, desliza, parece que ela vai desmaiar a qualquer momento, ponto positivo para a dama do filme e a sua irmã, a Rainha Vermelha, é a melhor dos três. Parece mais uma adolecente mimada (CORTEM AS CABEEEÇAS!), que grita com tudo e todos e transforma todos os animais em seus servos, desde porquinhos (que viram descanso para seus pés) até os macacos (que viram pés de mesa), a única pessoa que ela guarda um pouco de bondade é seu grande amor, o Valete de Copas (Crispin Glover).

Tim Burton acerta no gráfico do filme, mas peca no roteiro, sei lá, me pareceu um pouco preguiçoso, mas em compensação todo seu visual é incrivelmente criativo, desde a lagarta maconheira, o gato Risonho (fantástico), a ratinha espadachim e o cabeção da Rainha Vermelha. Infelizmente não é uma obra prima como Edward Mãos de Tesoura e Os fantasmas se divertem (obs.: minha opinião) mas é com certeza um grande filme!

4 comentários:

2T disse...

não vi até hoje. tá fodz. hahaha

Reinaldo Glioche disse...

Todo mundo parece adorar essa rainha vermelha né?! Ainda não assisti o filme. Estou me mordendo de curiosidade aqui. Grande abraço!

Anônimo disse...

MUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUITOOOO BOM O FILME ADOOOOOOOOOOOORO A RAINHA VERMELHA

Saulo S. disse...

Realmente a rainha vermelha é a melhor coisa do filme, achei o filme fraco de roteiro, mas até que o achei interessante!